ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

FORTE REDUTO DO RIO VERMELHO

É sabido que Salvador foi escolhida como primeira capital do Brasil em razão de sua posição estratégica que a Baia de Todos os Santos representava para os navegadores portugueses, já que por ali escoava a maior parte do pau-brasil obtido. Esta baia tinha todas as condições naturais para a parada segura de suas embarcações.

Claro que essas condições foram logo percebidas por outras nações que, constantemente, viam até aqui com suas naus, não somente para reabastece-las,   como se apossar do Pau Brasil, na época considerado de grande valor.

Pau Brasil
Pau Brasil em tempos floridos
Folhas


Para quem não sabe, o pau Brasil é uma madeira nobre, destinada especialmente para a construção de instrumentos musicais  como violino e violão celo, bem como móveis de luxo. A resina vermelha era utilizada pela indústria têxtil européia como uma alternativa aos corantes de origem terrosa e conferia aos tecidos uma cor de qualidade superior. Isto, aliado ao aproveitamento da madeira vermelha na marcenaria. Naturalmente, criou -se uma enorme demanda no mercado, o que forçou uma rápida e devastadora “caça” ao pau-brasil nas matas brasileiras. Em pouco menos de um século, já não havia mais árvores suficientes para suprir a demanda e esta atividade econômica foi deixada de lado, embora espécimes continuassem a ser abatidos ocasionalmente para a utilização da madeira (até os dias de hoje) usada na confecção de arcos para violino e móveis finos. O Pau Brasil é também conhecido através outros nomes como sendo a ibirapitanga, orubatã, brasileto, e outros, bem como  foi muito utilizado na construção civil e trabalhos de torno. 

 Cessada a busca do Pau Brasil, a presença de naus de outras nações continuaram  por aqui, desde que Salvador  incorporou novas atividades: um porto de apoio as rotas do Oriente e se tornou um grande centro de exportação de açucar. Apesar da importância dessas atividades sumamente importantes, a cidade não possuía um sistema de segurança à altura da mesma, muito embora tivesse uma estrutura geográfica ideal  para se tornar um local efetivamente seguro. Nesse ponto, D. João III, Rei de Portugal, resolveu nomear um Governador para o Brasil. Coube a Tomé de Souza a incumbência e aqui chegou em 1549. 

De principio, o próprio projeto da construção da cidade firmava-se num formato basicamente defensivo. A cidade começou a ser construída  no local mais alto e protegido, cercado por pântanos quase intransponíveis e com vista sobre toda a Baia de Todos os Santos.

Efetivamente, a primeira defesa militar construída foi uma grande muralha de taipa e barro, apenas suficiente contra as flechas de índios. Posteriormente, a muralha foi ampliada e reforçada com pedra e cal, ganhando baluartes no lado de frente para o mar e torres encasteladas nas portas voltadas para São Bento e o Carmo. Somente no século XVI, ante a uma grande ameaça estrangeira levou ao aumento do número de posições fortificadas em Salvador. 

Abaixo um trabalho mostrando o sistema de defesa de Salvador:

Este blog já comentou sobre a maioria dos fortes dessa relação. Faltava um trabalho mais completo sobre o Reduto do Rio Vermelho.

 Era um forte localizado  onde hoje está localizada a nova igreja do Rio Vermelho e à direita a Casa da Sereia e uma Colônia de Pescadores. 


Rio Vermelho antigo - A figura vermelha indica posição desse reduto - Vê-se ainda as paredes do antigo forte.

A nova igreja do Rio Vermelho. Antes, no local existia o Reduto do Rio Vermelho


Planta do Reduto do Rio Vermelho


Muro do antigo forte do Rio Vermelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário