ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

sábado, 16 de outubro de 2010

SUBÚRBIO FERROVIÁRIO DE SALVADOR - 3 - ALMEIDA BRANDÃO

Estranhava-nos na postagem anterior o porquê da construção do trecho Salvador-Paripe antes mesmo da linha Salvador-Juazeiro, aliás, motivo maior da concessão feita pelo governo ao engenheiro Muniz Barreto e deste transferido para a “Bahia And São Francisco Railway Company”, uma empresa inglesa. Aprofundemos a questão.
Há de se pensar, primeiramente, que o trecho Calçada-Paripe poderia ser o principio do caminho da grande ferrovia Salvador-Juazeiro. Vejamos uma foto da área – Google – para nos ajudar a formar uma opinião.




Este é o mapa da região. O traço em vermelho começa em baixo na Estação da Calçada e, margeando o subúrbio ferroviário, alcança Paripe no alto. Para poder se dirigir para Juazeiro, teria que se inclinar para a direita em direção à Alagoinhas. Está muio bem claro!

É evidente que se a proposta inicial era fazer uma ferrovia ligando Salvador-Juazeiro, esse trecho teria sido feito como realmente aconteceu, em linha reta no espaço estudado e não se curvando pelos caprichosos contornos de nosso subúrbio.

De qualquer sorte, vamos estudar a questão com cuidado. Por exemplo: havia na época uma razão econômica ou social para se tornar uma preferência? Ao que se sabe a esse tempo essa área era uma densa mata aonde só havia fazendas. Diz-se que a maior parte da mesma pertencia a um fazendeiro chamado Almeida Brandão, o mesmo que dá o nome, atualmente, à Estação Ferroviária de Plataforma. Coincidentemente ou não, na mesma época o referido senhor construía uma usina em Plataforma. Mais tarde essa usina fechou e no local surgiu a Fábrica de Tecidos São Braz, pertencente ao senhor Bernardo Martins Catharino. Corria o ano de 1860, o mesmo da inauguração da Estação da Calçada.

Fábrica São Braz – Ruínas

Aparentemente, essa seria uma razão econômica/social, desde que a fábrica chegou a empregar três mil pessoas. Também dentro desse contexto, poder-se-ia pensar que se estava abrindo uma grande área de nossa orla interna para o turismo interno, ensejando a construção de um belíssimo balneário. Era uma ferrovia que costeava todo o subúrbio, a beira-mar. Será?

Nenhum comentário:

Postar um comentário