ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

A ÚLTIMA FRUTA PÃO DE SALVADOR

Em postagem bem recente, falamos sobre fruta-pão, esta magnifica árvore talvez pouco conhecida da atual geração. Diziamos que, antigamente, a maioria das casas de Salvador possuia um pé de fruta pão no seu quintal.
O mesmo acontecia com a mangueira. Com o tempo e a valorização dos espaços, os quintais desapareceram e, consequentemente, o pé de fruta pão também se foi. Não se via nem nos nos parques e jardins da cidade.
E com as mangueira aconteceu a mesma coisa? Nos quintais, idem, mas nos espaços públicos a mangueira está sempre presente, viçosa e colorida.
O que aconteceu para o desparecimento da bela e frondosa árvore da fruta pão? Vamos aos fatos. Por mais incrível que possa parecer, a fruta pão foi proibida de ser plantada na Bahia e mesmo no Brasil. Isto mesmo! Quando se estabeleceu o Império Português no Brasil com o então Principe Regente Dom João Maria de Bragança (futuro D. João VI), foi proibido plantar a referida árvore e que se exterminassem as então existentes. Corria o ano de 1816.

Portugal revia seus contratos internacionais e os paises orientais eram a principal mira. Não eram bem aceitos pela Inglaterra e Espanha que davam sustentação política e militar à Portugal. E a planta era oriental.
Há outra hipótese do ponto de vista teórico cultural - questão de imagem. A Fruta pão no Taiti possuia, à época da chegada dos europeus uma imagem altamente positiva considerada como fruta alimento por excelência. Essa imagem positiva permanece ainda hoje, como o demonstra o seu uso simbólico na Catedral de Papeete.

Catedral de Papeete
O plano dos ingleses, porém, de transplantá-la com o intuito de colocá-la a serviço da alimentação dos escravos africanos, determinou uma mudança de sua imagem. Nas Américas, passou a ser considerada como alimentação de escravos ou classes inferiores da sociedade.
No Brasil, a planta foi introduzida em 1801 pelo governador do Pará, D. Francisco de Souza Coutinho. Mandou buscá-la em Caiena. Tudo indica que também aqui se pensasse no seu uso para a alimentação da numerosa população escrava.

Fruta-pão
Mas não existe mesmo nenhum pé de fruta pão em Salvador, pelo menos um, para ser fotografato e ilustrar essa postagem?  Felizmente existe, mas só um. Ele se acha em terreno de Marinha, bem protegido. Estamos nos referindo à especie existente no espaço do Segundo Comando Naval da Bahia, na Avenida do Contorno - Antiga Escola de Aprendizes de Marinheiro.

 Quase não se percebe a sua existência. Esta embaralhada com outra árvore de espécie distinta. As duas se confundem. Tivemos sorte em descobrí-la. Também conhecemos a espécie desde menino. Havia uma no quintal de nossa casa.
 A seta está a indicar



Nenhum comentário:

Postar um comentário