ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

LADEIRA DA MONTANHA- MATO Á VONTADE


Faz alguns dias que focalizamos a Ladeira da Montanha – oficialmente Ladeira Barão Homem de Melo- na série de “SUGESTÕES E IDÉIAS AO NOVO PREFEITO”.
Concentramo-nos nos futuros projetos para a socialização da área, mas antes disso, para hoje, agora, se faz necessário cortar o mato que cresce nas suas encostas.
Esta mataria que estaremos mostrando adiante, além do péssimo aspecto que causa, deve representar algum perigo às paredes de contenção da grande via, provavelmente, uma das mais importantes de Salvador. Afinal de contas, mesmo mato, seus galhos e raízes devem engrossar perigosamente e, quando chove, o peso da água pode ajudar na queda de parte da encosta.




No mais, o aspecto geral é horrível. As casas estão desmoronadas. Não existe mais passeio. Lamentável que se chegue a esse ponto. Há que se tomar uma medida urgentte, não do prefeito que será empossado em 2013, mas do atual, sob pena de vir a ser culpado por uma tragédia.

Não pensem que as encostas são de aço. Elas podem desmoronar, como já aconteceu no passado.

 xxxxx
LEITURA OPCIONAL DOS LIVROS DO AUTOR
Estamos criando esta seção absolutamente opcional. Temos alguns livros escritos, mas está difícil publicá-los. É muito caro! Certa feita, tentamos fazer a inscrição de um deles num desses concursos patrocinados pela Secretaria de Educação. Era destinado a novos autores. Somos um deles. Contudo, a burocracia da inscrição foi maior que a nossa vontade de participar. Sempre faltava um documento.  Desisti na véspera da data de encerramento. Mais tarde, conversando com um amigo, gente ligada ao governo, o mesmo nos alertou que esses concursos são feitos com cartas marcadas. Inscrevem-se e ganham quem eles protegem. Coisas de nosso país.
Quase no mesmo contexto, sabe-se de autores protegidos por “livreiros”. Nem sempre se consegue ler os seus livros até o fim. Não dizem nem acrescentam nada, mas vendem, graças à força promocional que age por trás dos seus lançamentos.
Em não podendo participar de um concurso e não tendo amigos livreiros, só nos resta o espaço desse blog que é bastante lido. Mas antes de começar, tivemos o cuidado de selecionar assuntos ligados à nossa cidade como, por exemplo, os alagados de Itapagipe, tanto o do Uruguai como o do Porto dos Mastros. O primeiro deles se denomina “Alagados”. Parece uma história interessante, mas quem vai confirmar isto serão os meus leitores. Pedimos licença. Estaremos sendo julgados. Boa leitura, mas não se sintam obrigados.
xxxxx
ALAGADOS
1
Bel e Cal eram tainheiros da Ribeira. Moravam no antigo Uruguai, bem junto ao mar que ali chegava. Nas horas de maré cheia pequenas ondas chegavam até as suas palafitas. Quando a maré vazava recuava centenas de metros, quase não mais se vendo onde começava. O mangue do outro lado o escondia entre os galhos. Em razão do recuo da maré, apoitavam, a canoa com a qual pescavam, ora no canal em frente às  suas casas se a maré da manhã no dia seguinte estivesse vazia: se estivesse cheia, usavam a poita próximo as suas palafitas ou mesmo amaravam-na num dos paus que as sustentavam.  Agindo assim, evitavam o contratempo de rebocá-la por longos metros pela lama. Era muito grande e quase  impossivel.  Sabiam dos ciclos da maré pela lua. Quando ela estava em quarto crescente ou minguante, na manhã seguinte, estava recuada; se era Cheia ou Nova, quando amanhecia, as ondas batiam nas pilastras das palafitas.
A canoa dos dois pescadores fora comprada em parceria. Ela fazia a travessia Ribeira-Plataforma, transportando passageiros. Era uma canoa de bom porte. Devia ter seus 10 metros de comprimento e boa largura. Antes, os dois amigos, tinham uma canoa cada um. Pequenas e instáveis. Qualquer vacilo ou movimento brusco e elas viravam e se perdia os peixes pescados. A canoa d‘agora era diferente. Permitia o arremesso das tarrafas de um na proa e do outro na popa. Ao mesmo instante! Ela se mantinha como que presa ao mar, absolutamente estável. Além do mais, possuía uma guarnição de velas que incluía até uma bujarrona. Usavam-na quando iam pescar em lugares mais longes, como em Freguesia ou mesmo Maré.
Próximo de suas palafitas morava um senhor de nome Firmino. Dizia-se que era do norte do País e teria sido um dos primeiros moradores do local.  Morava sozinho. Também pescava com uma pequena canoa. Diferentemente dos dois amigos, a sua canoa vivia amarrada num dos paus de sua palafita. Ele só saia para pescar na maré cheia, fosse que hora fosse.
Certo dia, Cal e Bel voltando de uma incursão em Ilha de Maré com todas as velas ao vento, depararam-se com a canoa do senhor Firmino virada no Canal da Ribeira e o homem seguro a ela. A correnteza de vazante era forte e ele se distanciava da terra rapidamente.
Aproximaram-se do náufrago e prestaram o devido socorro. Colocaram-no dentro da canoa e após desvirar a pequena canoa do velho pescador, amarram-na na popa e seguiram em direção ao Uruguai.
- Como aconteceu isto, senhor Firmino, perguntou Cal?
- Então, vocês sabem meu nome?
- Quem não conhece o senhor no Uruguai. Dizem que o senhor foi um dos primeiros moradores.
- É. Parece que sim, mas depois eu explico isto. No momento, estou precisando tomar uma bebida quente. Vocês devem ter algo. Estou morrendo de frio. Tem mais de uma hora que a canoa virou. Perdi a tarrafa.
Deram-lhe aguardente. – Essa é das boas, é Jacaré, falou Bel, passando a garrafa para o velho pescador.
Ao chegarem em terra, amarraram a canoa de Firmino na sua palafita. Ajudaram-no a subir na palafita e quando se preparavam para ir embora, Firmino os convidou para jantar com eles no dia seguinte. Pescaria alguma coisa pela manhã. A maré estaria vazia e ele era um especialista em siri mole.
- Vocês gostam de siri mole? Vocês foram tão gentis. Poderia ter morrido.
- Claro senhor Firmino, mas não se preocupe com isto. Não fizemos mais do que nossa obrigação. São leis do mar.
- Não, faço questão.
- Está bem, a que horas?
- Às  7 da noite: está bem para vocês?
- Está ótimo, estaremos aqui como sem falta. Eu me chamo Cal e o meu amigo Bel.


Nenhum comentário:

Postar um comentário