ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

UMA PONTE- TÚNEL ENTRE SALVADOR E ITAPARICA


Muito se tem discutido sobre a ponte que ligaria Salvador à Itaparica e um dos maiores inconvenientes dessa obra é o canal por onde passam os grandes navios que chegam à nossa capital, bem como os navios de guerra que circulam entrando ou saindo da Base Naval de Aratu e as grandes plataformas marítimas da Petrobras.
Por essa razão, ela terá que ter uma parte móvel no canal ao centro da travessia para permitir a circulação dos referidos navios.
Justamente por esta razão o custo da obra encarece sobremaneira.
Mas existe uma solução absolutamente viável e estranhamos que ninguém – as construtoras principalmente – tenham pensado nisto.
O que seja?
Uma ponte-túnel. Isto mesmo. Parte ponte e parte túnel. Ponte nas extremidades, tanto em Salvador quanto em Itaparica e túnel na extensão do canal que existe entre as duas localidades.

Além de suprimir a parte móvel da ponte (caríssima), evita os embaraços que este sistema possa causar ao longo do tempo (o mar está aí com sua maresia destruidora), provoca uma diminuição acentuadíssima do seu custo, desde que se poderá fazer uma ponte bem mais baixa (não é verdade?).
Mas isto não existe. É uma idéia estapafúrdia, haverão de dizer alguns “interessados”. Existe e mostramos acima:  a Ponte-Túnel Rio James, além de outras ao redor do mundo.
O leitor deve estar se perguntando: existe um exemplo brasileiro? Sim. Um túnel passando por baixo da baía de Vitória, ligando a capital a Vila Velha, que está sendo planejado pelo governo do Espírito Santo (ES). Dependendo das dimensões, um túnel pode custar entre R$ 98 mil e R$ 117 mil o metro.

 Vejam a opinião de um técnico sobre ponte-tunel:

"O túnel submerso, ou pré-moldado, tem vantagens relevantes frente à ponte. A primeira delas é a facilidade de ir e vir que o túnel traz. A ponte teria de ter cerca de 80 metros de altura para permitir a circulação dos navios. Isso sem contar a base da Petrobras que está sendo montada por conta do pré-sal, o que exigiria uma ponte ainda mais alta”, conta Hugo Rocha. “Para que um veículo acesse uma ponte desta altura, é necessária a construção de alças de acesso de pelo menos cerca de um quilometro e meio de cada lado. Seria um minhocão em cada uma das cidades”. Já no túnel submerso, a alça de acesso, além de ser menor, é subterrânea. “Depois da construção, a rampa é aterrada e urbanizada”, explica Tarcísio Celestino. “Ou seja, a rampa fica embutida e ninguém vê, não havendo qualquer impacto na paisagem urbana”.
Por último, vejamos quanto os nossos técnicos estão "imaginando" o custo de nossa ponte (só ponte):
Ficha Técnica
Investimentos: R$ 7 bilhões
Previsão de entrega: 2018
Responsáveis pela Obra: A definir
Situação atual: Foi publicado apenas no Diário Oficial do Estado o resultado do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), feito pela Planos Engenharia (Queiroz Galvão e Carlos Suarez Participações) e pelo consórcio das empresas OAS, Camargo Corrêa e Odebrecht Transport.
Só tem um jeito: chamar os chineses para a construção de nossa ponte que poderia ser "ponte-tunel", ainda mais barata.



Nenhum comentário:

Postar um comentário