ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

MEU BAIRRO QUERIDO- PAPAGAIO E MADRAGOA


Até então andamos pela orla da península desde o Porto dos Tainheiros, Ribeira, Penha, Bugari, Poço, Av. Beira Mar, Praças Divna e Dôdo e Osmar e o tradicional Porto da Lenha.
Claro que a península tem a sua parte interna com suas transversais, grandes largos e mesmo movimentadas avenidas onde corre o tráfego pesado hoje de ônibus e carros e ontem de bondes.
Somos das duas épocas. Talvez seja um privilégio. Não queremos fazer nossas próprias loas, mas é a verdade.
Estávamos rondando a Praça Divina e tocando o pau na sua péssima estrutura, na sua feiura hoje aumentada com a Praça Dodô e Osmar, ainda mais feia, pecaminosamente feia, desde que é um pecado mesmo, não terem aproveitado este espaço para fazer uma coisa belíssima.
Inicialmente, subimos a Ladeira do Custódio.
Ladeira do Custódio

Quem foi Custódio? Temos a impressão que Custódio foi um cabeleireiro que tinha o seu salão na base da ladeira, à direita. Ainda menino, cortávamos o cabelo com ele.
A Ladeira do Custódio desemboca na Travessa de Dentro, perto da Baixada do Bonfim. Porque de Dentro? Porque tem outra que se chama Travessa de Fora. Coisas de antigamente, bem provincianas.
Travessa de Dentro
Essa Travessa de Dentro termina na confluência da Rua Visconde de Caravelas – a do tráfego pesado e o Largo do Papagaio.
Largo do Papagaio

Outro nome curioso. Papagaio. Há diversas versões sobre a origem desse nome, algumas estapafúrdias. Em postagem específica sobre o mesmo, declinamos todas elas, mas só uma tem consistência: quando esse local ainda era um charco, os papagaios faziam a festa.
Na continuação a Rua Visconde de Caravelas chegamos  ao  Largo da Madragoa:
Largo da Madragoa
Madragoa em tupi-guarani significa “viveiros de caranguejos”, sinal que o mangue do Porto dos Mastros chegava até ali. Há, entretanto, quem afirme que o nome Madragoa surgiu da existência no local de um caranguejo chamado “madragol”
Como se vê, ambas as referências estão ligadas ao saboroso crustáceo que, infelizmente, não existe mais em Salvador. Os que as casas especializadas fornecem ao público, estão vindo do Pará, de avião, desde que, até mesmo os provenientes de Aracaju estão escassos. Se os sergipanos deixarem, acaba também os de lá. Aqui tem mais consumidores.
Da Madragoa seguimos pela Rua Lélis Piedade.
Rua Lélis Piedade
A rua Lélis Piedade liga a Madragoa à rua Júlio David que, por sua vez desemboca no Porto dos Tainheiros. Na esquina entre essas duas ruas acha-se a bela Igreja do Rosário em estilo neo-gótico, pelo menos sua fachada.
Igreja do Rosário

Rua Júlio David

Nenhum comentário:

Postar um comentário