ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

CARNAVAL DE HOJE E DE ANTIGAMENTE- COMPORTAMENTO

O Carnaval de antigamente tinha um comportamento absolutamente diverso do de hoje. Vivemos esse período. Somos testemunha ao vivo.  Ás 8 horas da manhã de domingo, primeiro dia de Carnaval e não quarta, quinta e sesta como é hoje, estávamos prontos para ir para a Rua Chile. Todos mascarados e sempre em grupos, no mínimo em pares. Ninguém saía desacompanhado, principalmente as mulheres. Pegávamos os bondes que se dirigiam para o centro da festa. A exceção do motorneiro e o cobrador, todos estavam mascarados.
 A essa altura a Rua Chile já estava lotada de gente mascarada e todos acompanhavam as músicas dos alto falantes instalados em cada poste. Músicas feitas para aquele Carnaval e que cada um sabia de cor e salteado. Marchavam ou sambavam conforme o ritmo. Das janelas e das marquises dos prédios em torno chovia correntes de serpentina e nuvens de confete.

O ar se impregnava do cheiro dos lança perfume Rodôro. Ainda não havia a intenção de cheirar o liquido. Isto já faz parte da transição do carnaval. Não foi daquele tempo. Estamos nos referindo aos anos 40 e 50 do século passado. Em 1961 ela foi proibida pelo então Presidente Jânio Quadros. Já os costumes começavam a mudar e em mudando, agiu acertadamente o então presidente. Ainda de relação a isto, a sugestão da proibição do lança perfume partiu do radialista Flávio Cavalcante, imediatamente acatada pelo governo.
 Mas vamos ao nosso périplo carnavalesco. Aquele mundão de gente fazia a volta na Rua da Ajuda. Não seguia em frente em direção à Praça Castro Alves e muito menos subia a ladeira em direção à São Bento.
Ao final da Rua D’Ajuda ainda não havia sido construído o atual viaduto ligando-a a Praça da Sé. Havia uma depressão do terreno. A grande maioria evitava-o. Dobrava-se na esquina do Café das Meninas, ou seja, na Rua do Tira Chapéu, ao lado da Prefeitura ou na esquina adiante que era da Ladeira da Praça. Era um vértice famoso. Bem na ponta ficava a Confeitara Colombo que mantinha as portas abertas. Antigos clientes preferiam ficar ali. Gente rica e famosa. Divertiam-se com as brincadeiras dos mascarados. E a festa continuava até duas ou três horas da tarde, ao tempo em que se esvaziava completamente aquele espaço. Os caretas voltavam para casa por pouco tempo, entretanto. Almoçavam e descansavam um pouco. Já entre 5 e 6 horas já estavam de novo na Rua Chile. Os rapazes com suas melhores roupas e as moças com seus melhores vestidos. Era a hora do “footing”. Fazia-se uma fila no meio da Rua da Chile e as moças em pequenos grupos desfilavam de mãos ou braços dados. Era um costume da época. O lança-perfume corria solto dirigido às mais preferidas. “Encontro com você nos Fantoches”: ou no “Cruz Vermelha”. Também tinhas as negativas: “Não posso ir, meu pai não deixou”. “Que pena”- então amanhã aqui na Rua Chile”. “Estarei mascarada. Você não vai me reconhecer”. Ai começavam a chegar os carros alegóricos dos grandes clubes – Fantoches da Euterpe, Inocentes em Progresso e Cruz Varmelha. Viam dos lados da Av. Carlos Gomes, menos íngreme. Subiam direto para a Rua Chile, hoje contra mão. A Rua da Ajuda era muito estreita. Alcançavam a Rua da Misericórdia e davam a volta na  Praça da Sé. Passava de novo pela Rua da Misericórdia e Rua Chile numa grande apoteose. Retornavam pela mesma Rua Carlos Gomes onde começaram. A rainha e a Princesa dos Fantoches saltavam na esquina da Rua do Cabeça; se dirigiam para o clube ali na Rua Democrata. A festa estava começando. Recebiam as últimas homenagens. As do Cruz Vermelho iam até a porta do seu clube do Campo Grande.


Guarda de Honra do Cruz Vermelha em 1938




Carros alegóricos do Fantoches da Euterpe

 Sede do Cruz Vermelha

 Sede do Fantoches
 
 As do Inocente não sabemos onde ficavam. Os pais certamente as pegavam de carro, aliás, os poucos carros que existiam. Os bailes já tinham começado. Britinho e seus Estucas e  as vezes a orquestra de Marilda ou de Gilberto já davam os primeiros acordes. Milhares de foliões enchiam o salão e o rink do outrora grande clube da Rua Democrata. A festa só terminava às 4 horas da manhã de segunda-feira.Não havia nenhuma prorrogação. Um minuto sequer. Segunda voltava a ter o baile e na terça fazia-se o encerramento. Nesse dia, a osquestra saía a tocar pelo Largo 2 de Julho com os foliões atrás. Aconteceu umas duas vezes. Uma excepcionalidade. Vale também um registro sobre o “peru dos Fantoches”. Era a grande pedida gastronômica da festa. Com farofa e um pouco de arroz. Era feito no próprio clube. Na sesta-feira e sábado, chegavam das feiras centenas de perús vivos à séde do clube. Ficavam presos em uma sala. Eram mortos ali mesmo e cozidos posteriormente. Deviam ser dezenas de cozinheiras. Gente que conhecia essa área.


Nenhum comentário:

Postar um comentário