ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

domingo, 27 de outubro de 2013

A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA SETE QUE DEVERIA SER RETA

No embalo da postagem sobre o chamado aterro do Porto realizado no principio do século passado, quando se destruiu meia cidade, justamente onde pulsava grande parte do seu comércio, outra ação avassaladora ocorreu na Cidade Alta com vistas a fazer uma avenida que se dizia iria mudar a “face da terra”, ou seja, iria torná-la moderna e avançada, da mesma forma como aconteceu no Rio de Janeiro e Paris.

Por que essas duas cidades? Por que  nelas teria morado José Joaquim Seabra, governador da Bahia àquela época e o mesmo presenciou os benefícios das reformas nas mesmas.

Mas cada caso é um caso. O que serviu para um determinado lugar, pode não servir para outro.

Ao lado desse duvidoso argumento, dizia-se que a cidade ficaria mais arejada e se evitaria as constantes epidemias que a assolava em razão do aglomerado de suas casas e ruas estreitas.

Por que duvidoso? Pela simples razão de que as epidemias que assolaram Salvador foram provenientes da falta de saneamento básico no seu tecido urbano.

Nesse sentido, o certo seria primeiro realizar o “básico” e depois fazer o “festivo”, ou seja, o que chamaria atenção e monopolizaria os comentários da imprensa.

Mas, desde aqueles tempos, os nossos governantes na sua grande maioria, pecaram nessa ordem das coisas básicas e imprescindíveis de uma cidade que se preze – Obras em baixo da terra não se vê e ainda incomoda muita gente quando se realiza.

Daí se preferiu fazer uma avenida que seria reta desde o centro da cidade até a Barra, passando por tudo e por todos, não importasse quem ou o que.  Foi o caso da construção da Avenida 7 de setembro, data da independência do Brasil.

Com o devido respeito para com essa data, dia em que D.Pedro I às margens do Ipiranga declarou a independência do Brasil, em verdade, a real e efetiva independência de nossa Pátria se deu aqui na Bahia em 2 de julho de 1823, desde que até então, os portugueses estavam assentados em nosso território

Nesse sentido se faz necessário enaltecer o projeto de lei (PLC 61/2208) da autoria da deputada Alice Portugal  já indicado pelo Plenário do Senado que o 2 de julho passa a integrar o calendário do Brasil como data histórica. Ou seja, o Senado considerou que a ação foi um precursor da independência do Brasil ocorrida em 7 de setembro de 1822. Só falta o aval da Presidência da República.  Diz mais a vibrante deputada: “o objetivo é o reconhecimento nacional da importância da data histórica”.

Em conseqüência desse fato, o nome mais consentâneo para a nossa quase retilínea avenida teria sido chamá-la de 2 de Julho e acrescente-se que à época de sua construção, ainda se podia ouvir os passos das tropas baianas pelo Corredor da Vitória, desde que mais próximo do fato ocorrido.

Dissemos a pouco que a nossa avenida seria quase retilínea não fosse a firmeza dos frades do Convento de São Bento. J.J. Seabra  queria derrubar o monumental convento e passar em linha reta com sua avenida. Foi um “Deus nos acuda” que chegou às portas do Vaticano e nos ouvidos da população. É inconcebível essa idéia. Curve-se a avenida imediatamente! E J.J. Seabra teve que construí-la curvando à direita da Ladeira de São Bento. Verdade que havia um obstáculo na lateral: três grandes prédios existiam no local. Derrube-os, ordenou Seabra.

-Mas, Excelência, ali mora gente. São propriedades particulares. Teremos que indenizá-los.

- Indenização, coisa nenhuma. Bote abaixo o mais rápido possível.


E assim foi feito em pouco tempo e a avenida prosseguiu no seu caminho agora tortuoso.

Ladeira de São Bento - Inicio da 7 de setembro 

Três prédios demolidos à direita para permitir a passagem da avenida

Após isto, logo adiante, os construtores encontraram outro grande impedimento, bem no meio da rua. Em São Pedro se achava a Igreja do mesmo nome, extraordinariamente bela e gigantesca.  Vai ser a mesma coisa que nem aconteceu com os frades de São Bento, pensou o governador. Vou ter que desviar de novo a minha avenida. Mas, com mais parcimônia o governador prometeu fazer outra igreja mais adiante no Largo da Piedade com planta aprovada pelos padres. E assim foi feito.
Altar mor da antiga Igreja de São Pedro

A nova São Pedro na Piedade

Mas a via crucis do governador não pararia por ai. Um pouco mais a frente topou mais uma vez com outra igreja – a das Mercês. Teve que ser afastada em parte e reconstruída mais ao lado.

Como era as Mercês

Sendo demolida

E o que se refere às casas dos moradores, o que aconteceu? Foram todas demolidas sem dó nem piedade e sem nenhuma indenização. Diz-se, inclusive, que muitos moradores não tendo para onde ir, foram acolhidos por outras famílias ou tiveram que viver em pensões. Um caos em  nome de uma modernidade hoje considerada duvidosa. Pode-se-ia manter a antiga cidade e desenvolver ainda mais a parte sul que surgia promissora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário