ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

TERCEIRA ETAPA DA DEMOLIÇÃO - IGREJA E BAIRRO DA SÉ

Como o mesmo viés de anos atrás quando se destruiu meia cidade para a construção de uma avenida, o mesmo aconteceu com o Bairro da Sé. Sim! Isto mesmo. Bairro da Sé ou Distrito da Sé em sendo mais correto e preciso.

- Mas você está se referindo à Praça da Sé, a enorme Praça da Sé?

- Isto mesmo! Antes havia quatro quarteirões de casas e uma grande igreja, aliás, igreja esta que era a Catedral de Salvador.


Distrito da Sé
Representação da antiga Praça da Sé com destaque para a Igreja da Sé e a sua direita o casario do Bairro da Sé. Eram quatro quarteirões.

- Mas como aconteceu esta barbaridade?

- A Cidade Alta estava recebendo os trilhos para receber os bondes da chamada Companhia Linha Circular da Bahia, uma multi nacional de peso que ganhou a concorrência para a circulação de bondes pela cidade.  Estávamos no principio do século passado. Verdade que anteriormente, por volta de 1897, outra empresa, a Cia Veículos Econômicos, já havia inaugurado uma linha na Cidade Baixa, ligando o Comércio à Itapagipe 

Mas os bondes de então não iam até a Praça da Sé. Havia um grande impedimento ao fim da Rua da Misericórdia: a Catedral da Sé, bem na boca dessa avenida:
Rua da Misericórdia e ao fundo a Igreja da Sé

Tirando qualquer dúvida!
Postal da época

Ai começou a celeuma de destruir a referida igreja que tinha sido a Catedral de Salvador até 1765. Segundo historiadores, as razões alegadas para a demolição do grande templo foi um conjunto de desculpas que escondiam um monte de interesses. Do arcebispo que não queria morar mais no Palácio Arquiepiscopal, velho e sujo. Visava se mudar para um imóvel localizado no Campo Grande que passou a ser a sua residência oficial. Hoje é um salão parece de ginástica da Mansão dos Cardeais. Por sua vez o Prefeito da época afirmava ser necessário conduzir Salvador para uma nova era de desenvolvimento (inspirou-se em J.J. Seabra) e por fim, o interesse comercial da Cia. Circular, talvez entre as três inclinações a mais justa desde que não havia artifícios. Queria porque queria.

E em assim sendo, em 7 de agosto de 1933 a grande igreja foi demolida. Diz-se que já estava caindo devido ao abandono, mas sem dúvida que era mais um argumento em prol de sua destruição. Contudo, uma prova de que todas as razões eram meras “desculpas” o “arrasa quarteirão” também atingiu o casario que rodeava a igreja, causando mais uma crise habitacional em Salvador.

Primeiros trilhos
Quando da colocação dos trilhos, ainda restavam dois quarteirões de casas do lado do mar. Há de se separar telhados atrás dos prédios da frente.
Velha Praça da Sé - O casario da esquerda ainda se sustentava
Como ficou
Circular
Cruz Caída

No lugar onde era a antiga igreja se fez um belvedere que ninguém tem coragem de ir e o monumento da Cruz Caída de Mário Cravo. Efetivamente, esse monumento  expressa o que ocorreu no local, do bem e do mal. Mais do mal. O escultor foi muito feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário