ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

domingo, 22 de novembro de 2009

PILAR – IGREJA DE SANTA LUZIA

Santa Luzia


Pilar - Área demarcada

 
No lado direito da Avenida Jequitaia, sentido Comércio-Calçada, há um espaço elevado (cerca de 10 metros) denominado Pilar. Tem esse nome em razão da existência no local da Igreja de Nossa Senhora do Pilar, padroeira da Espanha.


Igreja Nossa Senhora do Pilar


Seu interior

Aliás, em Salvador e em muitos outros locais pelo mundo afora, a associação do nome do bairro ou localidade com o nome da igreja existente no mesmo, é muito comum. São os casos, por exemplo, de Bonfim graças à Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, ali erguida. A Penha tem esse nome em razão da existência no local da Igreja de Nossa Senhora da Penha. Monte Serrat, idem. Boa Viagem, igualmente.

No caso específico do Pilar, há um detalhe curioso. Sem tirar a importância religiosa da Santa que dá o nome à igreja, em verdade, uma outra é mais venerada – trata-se de Santa Luzia - padroeira dos deficientes visuais.


Nossa Senhora do Pilar


Por essa razão, muitos denominam esta igreja como Igreja de Nossa Senhora do Pilar e Santa Luzia. Outros, mais fervorosos, simplesmente, Igreja de Santa Luzia. No final, estão todos com a razão!

“Santa Luzia ou Santa Lúcia conta-se, pertencia a uma família italiana muito rica de Siracusa que lhe deu uma formação cristã. Quiseram que se casasse com um jovem também rico, porém pagão. Não aceitou! Pediu um tempo! Fez uma romaria ao túmulo da mártir Santa Ageda, casta como ela. A mãe a acompanhou. Sofria de grave doença. Foi curada. Em paga, prometeu manter a castidade. A mãe concordou. Além disso, também consentiu que dividisse seu dote milionário com os pobres. O noivo não se conformou e denunciou Luzia como cristã ao governador romano.
Era o período da perseguição religiosa imposta pelo imperador Deocleciano.
 
A devoção à Santa se deve a fatos impressionantes. Como a jovem dava extrema importância à virgindade, o governante mandou que a carregassem à força a um prostíbulo para servir à prostituição. Ela reagiu com uma força interior assombrosa. Ninguém conseguiu levantá-la do chão onde se prostrou. Foi, então, condenada a morrer ali mesmo. Os carrascos jogaram sobre seu corpo resina e azeite ferventes, mas ela continuava viva. Os carrascos resolveram decapitá-la com uma espada. Antes, contudo, arrancou os próprios olhos e entregou-os a um deles. O homem vacilou, mas mesmo assim, desferiu o golpe fatal Isto aconteceu no ano de 304.

Impressionante e comovente esta história!

Seu corpo está guardado na Catedral de Veneza e 13 de dezembro é o seu dia.

Todos os anos, nessa data, a Igreja de Nossa Senhora do Pilar e Santa Luzia, recebe milhares de fiéis. Ultimamente, isto não tem acontecido. A igreja está em reforma faz muitos anos.


Em reforma - Parece-nos agora parada

Reformada!




Nenhum comentário:

Postar um comentário